GRAVIDEZ NA MATURIDADE: RISCOS E DESAFIOS

Não só na juventude as gestações aparecem de surpresa. Diante desta situação na maturidade, como encará-la?  

 

Não há como negar: uma gravidez raramente é minuciosamente planejada pelas mulheres ou por um casal. Às vezes, elas acontecem em um momento confortável para a constituição de uma família, em outros, são completamente indesejadas. No caso da mulher madura, ela pode ocorrer em dois contextos: “acidentalmente”, quando a mulher e o homem não tomam as devidas precauções para evitá-la, ou propositalmente, em decorrência das novas tendências de alongamento da faixa etária reprodutiva, que tem suas origens em fatores médicos, biológicos e também culturais, uma vez que a mulher do século XXI não é criada para apenas casar e ter filhos, e muitas vezes optam pela gravidez após outras etapas de sua vida terem sido cumpridas. A questão é: como proceder diante de uma gravidez na maturidade?

Estigmatizada como um risco à saúde da mulher, a gravidez na maturidade deve ser encarada como uma possibilidade e jamais como uma sentença de que algo vai dar errado para a gestante ou para o bebê. A forma como você enxerga esse novo desafio na sua vida é crucial para enfrentá-lo de forma saudável e com autoestima. O primeiro passo é procurar acompanhamento médico em diversas áreas, realizar os procedimentos pré-natais e seguir as orientações, mudando a alimentação e os hábitos que demandam muita energia do seu corpo. Para mulheres depois do 40 que já tinham planejado uma gravidez na maturidade, é importante realizar um mapeamento genético, uma vez que as chances do bebê ter Síndrome de Down, por exemplo aumenta de 200×1, enquanto até os 30 anos, essa probabilidade é de 2000×1. A reorganização das suas relações familiares para este novo momento é muito importante, pois, na gravidez, o sentimento de solidão e de isolamento é danoso para a saúde da mulher e também do bebê.

Do ponto de vista cultural, encarar a gravidez na maturidade como um processo de empoderamento do próprio corpo, agindo com a devida responsabilidade para conhecer seus limites e seguir as orientações médicas com cautela. É de suma importância que você tenha um conhecimento pleno do seu corpo e do seu aparato emocional para que a gestação termine com sucesso. Por opção ou por “engano”, o ato de dar à luz uma vida é divino e um momento para se reconhecer e entender plenamente a feminilidade e a grandeza de uma mulher. Na maturidade, é um exercício de redescoberta de si mesma, mesmo com seus riscos. Prepare-se e aprenda que “padecer no paraíso” pode não ser tão assustador assim…

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

*